Blog

Seis dicas para melhorar a memória

O mundo moderno oferece muitas facilidades, a cada dia um novo gadget é lançado para auxiliar as tarefas do dia a dia e deixar tudo mais simples, inclusive memorizar datas, números, compromissos e até para lembrar de beber água! Contudo o cérebro precisa de estímulo para manter as atividades sinápticas, como são chamadas as ligações entre os neurônios, e esse é o segredo! Uma pesquisa realizada pela Radboud University Medical Center de Nijmegen e publicada na revista Neuron conclui que todas as pessoas podem melhorar a capacidade de memorização e criar novas conexões cerebrais exercitando-se trinta minutos por dia por quarenta dias seguidos.

E para te motivar, listamos seis dicas para você melhorar a sua memória. A primeira é sair da rotina. Faça coisas do seu cotidiano de modo diferente, como alterar o caminho para ir ao trabalho. Se você é destro, tente usar a mão esquerda em alguma atividade, como pentear o cabelo. Novidades geralmente fazem bem à memória. Por isso faça exercícios mentais. Aprender algo novo, como um idioma. Aposte em palavras cruzadas ou caça-palavras.

Outra boa maneira de ajudar a memória é não se acostumar a memorizar algo por repetição. Entenda todo o contexto, essa é a maneira mais eficaz de evitar ‘brancos’. Uma dica legal é criar associações para memorizar algo. Por exemplo, se objetivo é se lembrar de alguém chamada Carolina, lembre-se do doce de mesmo nome e tente mentalizá-lo enquanto olha para a pessoa.

A quinta dica é ler, leia muito. Lendo você exercita a criatividade, expande seu vocabulário e aciona memórias antigas ao mesmo tempo em que cria novas. O hábito de leitura ajuda ainda na concentração e melhora o pensamento crítico.

A última dica é para quem precisa apurar o desempenho mental em ambientes exigentes. Se a sua necessidade é aperfeiçoar sua capacidade sob pressão, Synapsa™ é o que você procura. Ele é um ativo natural, fundamental para sua saúde cognitiva. Estudos clínicos comprovam seus efeitos benéficos na função cognitiva em utilização crônica e aguda, mostrando a melhoria no desempenho em áreas como processamento visual, taxa de aprendizagem, memória, retenção de informações e desempenho mental em ambientes cognitivamente exigentes.

 

Deixe seu comentário